segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Estudantes de 24 escolas de Bauru são identificados com sinais de superdotação

Extraído do site do  JCNET.com.br : http://www.jcnet.com.br/Geral/2016/08/estudantes-de-24-escolas-de-bauru-sao-identificados-com-sinais-de-superdotacao.html#prettyPhoto

Alunos com suspeita de QI acima da média são apontados por professores e submetidos a testes; 477 têm sinais de altas habilidades e superdotação

Marcus Liborio/ Alex Mita


Iniciativa da Universidade Estadual Paulista (Unesp), projeto que visa oferecer ensino especializado a estudantes supertodatos avança em Bauru. Um levantamento realizado nas 52 escolas estaduais da cidade identificou, em 24 delas, um total de 477 alunos com sinais de altas habilidades e superdotação.

Hoje, inclusive, será iniciado o processo de testes na E.E. José Viranda, na Vila Giunta, para confirmar se os 62 estudantes indicados pelos docentes daquela unidade realmente tem QI acima da média. O serviço, previsto em lei, já foi instituído na E.E. João Pedro Fernandes, no Núcleo Gasparini, e beneficia nove alunos (leia abaixo).

Para identificar os sinais de superdotação, os professores se baseiam em um guia com 26 itens. O estudante pode ser relacionado em mais de um tópico, conforme sua aptidão. Exemplo: “os melhores da turma nas áreas de linguagem, comunicação e expressão” ou “os mais críticos com os outros e consigo próprio” são uns dos fatores levados em consideração.

Uma das coordenadoras do projeto, a professora do Departamento de Educação da Unesp Vera Capellini observa que os testes é que irão confirmar quais alunos são realmente dotados de altas habilidades.

Ela explica que não precisa somente ter bom desempenho acadêmico ou intelectual para ser considerado um superdotado. “Alguns ícones da sociedade podem ter um talento acima da média, numa área que não é a acadêmica. O Pelé, por exemplo, é um talento na área motora”.
O conceito para definição da superdotação é dividido, basicamente, em seis áreas: capacidade e inteligência geral; talento verbal; capacidade de pensamento abstrato (talento científico-matemático); criatividade acentuada e/ou talento artístico; talento psicossocial; e talento psicomotor.

Expansão

Para concluir as avaliações nas demais instituições, porém, é necessário que financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) seja aprovado

A Unesp, por ser uma instituição pública, tomou a iniciativa de aplicar os testes iniciais, mas isso gera custos. Para atender as outras escolas, o projeto precisa ser aprovado ou o Estado bancar ou estabelecer parcerias com instituições que tenham equipe específica, como a área da Saúde”, aponta.

Capellini destaca que, posteriormente, o projeto deve atender o restante das unidades nos outros 15 municípios que integram a Diretoria Regional de Ensino. Ao todo, são 82 escolas estaduais (52 em Bauru e 30 na região).

João Rosan/JC Imagem
Educadora de altas habilidades Maria Auxiliadora desenvolve atividade com as irmãs superdotadas Natsumi e Naomi

Demanda

Os alunos considerados superdotados são submetidos a atividades diversas, três vezes por semana, no contraturno escolar. Para isso, é necessário ter uma sala disponível e professores com habilitação especializada.

Supondo que os testes confirmem que os 477 alunos tenham altas habilidades, haveria a necessidade de dispor de ao menos 47 salas, numa média de 10 alunos por turma, e a mesma quantidade de docentes.

A dirigente regional de ensino Gina Sanchez adiantou que Bauru não atenderia a demanda. “Dificilmente, todos os indicados são confirmados com alta habilidade. Se forem, o caso será encaminhado para Secretaria de Estado da Educação analisar”, pondera.  

Nove alunos

Nove alunos, entre 7 e 13 anos, já são assistidos pelo projeto, oficialmente, desde março deste ano na E.E. João Pedro Fernandes. Educadora de altas habilidades, Maria Auxiliadora da Silva Gonçalves é quem aplica as atividades aos estudantes. “O nosso maior desafio é ir atrás do que eles mais querem, pois todos chegaram aqui com muita vontade de aprender”, ressalta.  

Irmãs, Natsumi e Naomi Zaramelo Waki, de 8 e 7 anos, respectivamente, manuseavam um cubo mágico, nesse sábado (20). “Para o desenvolvimento intelectual, é muito bom, pois influencia na percepção e ajuda a resolver os problemas de matemática com mais facilidade”, diz a docente.  Natsumi disse que o interesse pelo aprendizado aumentou depois que ela foi inserida ao projeto. “Percebi maior evolução em sala de aula”, avalia.

Projeto
Éder Azevedo/JC Imagem
Gina Sanchez diz que não há como atender toda a demanda

O projeto foi idealizado pelas professoras Vera Capellini, do Departamento de Educação da Unesp, e Olga Rolim Rodrigues, do Departamento de Psicologia. A ideia foi encampada pela Diretoria Regional de Ensino. Duas alunas da Unesp, que cursam mestrado em psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem, também integram o programa.
Vera Capellini é uma das idealizadoreas do projeto

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Aluna superdotada identificada pelo NAAH´s do Pará lançará livro de romance juvenil

Condinome Valery: livro será lançado na sexta-feira 

card livro

A universitária Laura Almeida, de 18 anos, aluna que durante toda a vida escolar estudou em escolas públicas, lança nesta sexta-feira, 12, o seu primeiro romance juvenil, intitulado Condinome Valery. O livro é financiado pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura.

A obra relata a história de uma jovem justiceira com um estilo de vida incomum, que ao se mudar para a cidade de Albany, na Califórnia, encontra alguém do seu passado que a faz repensar sobre a sua vida.

Com muito drama, ação e suspense, o romance se desenrola de uma forma intrigante e tem um desfecho inesperado.
Entenda o papel do NAAH/S

O Núcleo de Atividades de Altas Habilidades/Superdotação (NAAH/S), da Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEE) tem como objetivo identificar alunos com altas habilidades em áreas como canto, artes, escrita e matemática, por exemplo, além de apoiar o sistema de ensino para que os potenciais desses estudantes sejam plenamente desenvolvidos.

A escritora que, hoje, cursa biomedicina, estudou na rede pública de ensino, desde a primeira série do fundamental até o 3º ano do ensino médio. Em 2010, ela foi identificada pelo NAAH/S, quando ainda frequentava o 7º ano no Colégio Acreano. Desde então, a equipe pedagógica do núcleo acompanha o talento da aluna.

“Fui estimulada desde cedo a escrever e isso aguçou  minha  imaginação,  hoje já tenho meu primeiro livro escrito”, conta Laura.

O lançamento da obra será às 17 horas no Sesc Centro, na Avenida Brasil, 713, às 17 horas. A publicação conta com o apoio cultural da Fundação Garibaldi Brasil (FGB), por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura.


terça-feira, 9 de agosto de 2016

CONSEGUI FAZER COM QUE A UNIVERSIDADE EXPEDISSE O DIPLOMA UNIVERSITÁRIO DE UM CLIENTE MEU, QUE CURSOU O CFAC (supletivo de ensino médio à distância), CUJA UNIVERSIDADE HAVIA CONSIDERADO O CERTIFICADO INVÁLIDO E IRREGULAR



 Resultado de imagem para CERTIFICADO ENSINO MÉDIO CFAC

Como eu comentei, ontem, nesta semana, o Direito Educacional teve duas vitórias importantes para mim. Ontem contei uma delas (http://maedecriancassuperdotadas.blogspot.com.br/2016/08/aluna-com-tdah-em-curso-e-faculdade-de.html), que foi sobre a aluna que cursa Medicina e tem TDAH e foi reprovada no semestre que vinha cursando, e entrei com recurso contra a decisão que a considerou retida e consegui reverter a decisão e ela foi aprovada para seguir a sua escolaridade.

A outra notícia que recebi foi  que o meu cliente, que fez supletivo à distância no CFAC (Centro de Formação e Aplicação de Cultura Ltda), que fica no Estado e Cidade do Rio de JANEIRO e que, assim como muitos outros clientes meus e outros muitos outros casos que já cuirdei, le se formou na faculdade e a faculdade não quis dar o diploma dele universitário para ele, alegando que o certificado de conclusão de Ensino médio dele não tinha validade ! Imaginem o desespero deste meu cliente (este e tantos outros que me procuram com estes mesmo problema e que fizeram outros ensinos supletivos à distância com certificados do Rio de Janeiro).

Descobri, através de uma vasta pequisa que eu fiz, que este colégio, em especial, ainda funciona e mandei uma advogada correspondente do RJ lá na regional Metropolitana para tentar dar autentificidade a um certificado de outro cliente meu, que também se formou pelo CFAC e a Regional Metropolitana disse que não havia necessidade de autenticar o tal documento, pois o certificado do meu cliente era válido e que a escola estava aberta e que ainda funcionava.

Enfim, no caso deste meu cliente, eu preparei uma notificação muito bem fundamentada e com muitas jurisprudências que tenho a respeito e provas de que a escola ainda funcionava, tinha autorização, etc.. e ameacei entrar com ação judicial contra a Universidade, caso ela não expedisse o diploma do meu cliente, em 15 dias.

E, para nossa felicidade, hoje soubemos que a Universidade, diante da minha notificação e fundamentação jurídica e documental, concordou em expedir o certificado de Ensino médio do meu cliente.

Muito bom saber que, aos poucos, vamos fazendo a diferença no Direito Educacional ! :)